// Encaixotando: Moda, Arte e Delírios Pessoais

Quando comecei a estudar fotografia, sonho meu era ser um fotógrafo reconhecido e bem de vida – mas claro que esse sucesso financeiro não poderia me custar a criatividade. Eu queria ter, além do trabalho “comercial”, um trabalho “autoral” consistente.

Eu e a torcida do Corinthians, claro.

Com o passar dos anos, acabei percebendo que essa dualidade me fez muito mal, além de me trazer enormes desvios e tropeços à carreira. Segui por muito tempo por caminhos que não eram meus, e era a coisa mais angustiante do mundo olhar para uma foto fantástica sem saber o que fazia dela tão boa assim. E essas fotos não estavam em galerias, estavam em revistas comuns de moda. Não era a maestria técnica – eu sempre vejo fotos tecnicamente perfeitas, mas totalmente insossas. Era alguma outra coisa.

Fotos boas são sempre fotos cheias de algo.

Não necessariamente conseguimos identificar exatamente do que elas estão cheias – mas sempre percebemos a tensão, a exuberância, a falta de estabilidade que mora nelas. Independente da finalidade para a qual foram elaboradas.

A mesma alma que existe nas fotos nas quais os criadores tiveram total liberdade, também reside nas fotos onde eles aparentam não ter tido liberdade nenhuma.

A famosa editora de moda da Vogue americana, Anna Wintour, disse uma vez:

“O trabalho do editor de moda é ‘mostrar’ as roupas. Afinal, é por esse motivo que o público compra nossas revistas. Nossas necessidades são simples. Queremos que um fotógrafo pegue um vestido, faça a garota parecer bonita, nos dê muitas imagens para escolher, e não nos dê trabalho. Já os fotógrafos – se forem minimamente bons – querem criar arte”.

Já Javier Vallhonrat, artista e fotógrafo de moda, fala um pouco sobre o outro lado:

“O que propõem as páginas de uma revista de moda não é um aprofundamento do trabalho de um determinado artista, mas sim uma pertinência momentânea que se dá pela coincidência. É afirmar que o artista falava da realidade de uma maneira que a moda pode utilizar pontualmente para propor um modelo de comportamento, ou mesmo um olhar ‘alternativo’”.

Então, o que existe na fotografia de moda é uma colaboração dada na intersecção dos interesses. O artista quer colocar suas questões, sua realidade, e coloca essa visão a serviço dos interesses dos editores, criando perspectivas e olhares que são muito úteis na construção dos modelos de comportamento necessários para manter a máquina da moda girando.

Uma fotografia autoral encaixotada.

Encaixotada pelos interesses comerciais, mas ainda autoral. Grandes fotógrafos produzem imagens de grande impacto, mesmo dentro desses limites, e são plenamente capazes de dar vazão a sua veia artística dentro dos limites comerciais. E uma das provas é o próprio Javier Vallhonrat.

Fotógrafo madrileño nascido em 1953, Javier licenciou-se em Belas Artes, tornando-se artista relevante na Espanha – é conhecido por seus questionamentos e diálogos entre diversas linguagens na fotografia, mas sem abandonar o rigor formal e sua abordagem inequivocadamente estética. Lecionou Belas Artes na Universidade de Cuenca, e é figura conhecida no meio acadêmico espanhol.

Mas fora do circuito artístico e acadmico, Javier é ainda mais conhecido por ser um dos mais impressionantes e criativos fotógrafos de moda, sendo presença constante nos editoriais na Vogue UK e Vogue Germany, além de ter clicado diversas campanhas para clientes como Shiseido, John Galliano e L’Oreal . O que o coloca em uma posição privilegiada para mover-se e expressar-se em todos esses terrenos.

Uma das grandes constantes no trabalho de Vallhonrat é o questionamento da linguagem fotográfica: a ideia da fotografia como construção, ou a relação que existe entre construção, realidade construída e fotografia. Através da criação de imagens surreais, supostamente absurdas, ele consegue colocar em crise a suposta autenticidade da fotografia: o que se apresenta diante de nossos olhos é uma construção simples e geométrica, que faz uso da própria fotografia para “disparar” a percepção de um universo diferente, que não existiria para ser retratado.

São engodos, que precisam da fotografia para existir.

Em uma de suas séries, “Acaso”, ele trabalha com a tensão que existe entre as ideias de moradia, individualidade, proteção e a sensação de pertencer a algum lugar.

E a série ecoa estrondosamente neste editorial feito com Charlotte Gainsbourg para a Vogue Nippon:

ou mesmo neste editorial feito para a revista Flair:

Na segunda reunião do grupo de estudos do IIF, foi essa a bola levantada: existe mesmo a separação entre a fotografia autoral e a comercial, ou são apenas caixas diferentes para o mesmo conteúdo? Mais ainda, a tal da fotografia autoral não seria exatamente um campo de testes do qual a sua fotografia comercial se alimenta?

Ao mostrar poderosas alusões à mitologia através das peculiaridades dessa linguagem fotográfica – peculiaridades essas altamente exploradas em suas séries – Vallhonrat consegue uma matéria prima explosiva, mas que ainda assim pode ser moldada em porções mais acessíveis e propósitos mais “mundanos”, como a fotografia de moda. Com a coincidência de interesses, temos fotos que definitivamente têm algo a mais.

No fim das contas, a conclusão que chegamos é que a investigação do meio de comunicação chamado fotografia é sim, indispensável para aquele que quer fazer algo relevante com ele. É necessário conhecer os limites e definições, identificações e contradições da fotografia, para confrontá-los com nossas curiosidades e fascínios.

Afinal, todos devemos ter algo com que “encher” nossas fotos, caso contrário, ficaremos apenas palidamente ecoando as fotos de outros, repetindo ícones enfraquecidos pela nossa falta de propriedade com a linguagem fotográfica. E nossos experimentos sempre encontrarão ecos em nosso trabalho.

Mesmo que esse trabalho jamais passe perto de um museu ou galeria.

Alex Villegas

Fotógrafo e photoshopper, com mais de 10 anos de experiência em tratamento de imagens, produção gráfica e design. É autor do livro O Controle da Cor – Gerenciamento de cores para fotógrafos e ministrar cursos sobre o assunto no IIF

Cadastre-se e receba as principais novidades do ramo da fotografia.

Posts Relacionados

Tudo sobre Fine Art

Tudo sobre Fine Art

A fotografia Fine Art cresceu no mundo todo, incentivando fotógrafos a...

Investigação fotográfica sobre série de assassinatos vira fotolivro com campanha de crowdfunding

Investigação fotográfica sobre série de assassinatos vira fotolivro com campanha de crowdfunding

Os limites entre o real e a ficção são o convite para uma imersão na trama...

“A fotografia não é só um mero registro”. A Fotografia e a Arte Contemporânea com Ronaldo Entler.

“A fotografia não é só um mero registro”. A Fotografia e a Arte Contemporânea com Ronaldo Entler.

 “A fotografia não é só um mero registro”. A Fotografia e a Arte...

Fotógrafo registra as estranhas criaturas do fundo do mar

Fotógrafo registra as estranhas criaturas do fundo do mar

O senso comum já diz que sabemos mais sobre a superfície da lua do que sobre...

Parceiros