// Danilo Russo conta: Essa é a oportunidade que você aguardava para investir no seu potencial!

Diretor e fundador do Instituto Internacional de Fotografia, Danilo Russo já viu passar pelo IIF mais de 6 mil alunos e conhece bem as maiores dificuldades dos fotógrafos que buscam ingressar na carreira e também dos profissionais que buscam atualizar os seus conhecimentos.

Baseando-se na sua própria experiência em trinta anos como fotógrafo, dez como docente, cinco como empresário e um ano em especializações na área de coaching , Danilo elaborou o curso “O Fotógrafo Completo – Fórmula para o sucesso” , que conta com  um formato de ensino totalmente inovador, em que os alunos receberão um atendimento personalizado para que consigam a orientação correta e estejam capacitados para focar a sua carreira da melhor forma para obter sucesso na área pretendida.

Com um olhar visionário no ramo empresarial, que fez, por exemplo, que ele fosse o primeiro a lançar um curso de Newborn no Brasil (vislumbrando o sucesso que este tipo de fotografia já fazia no exterior) e também sendo pioneiro no lançamento de um congresso exclusivo para este tipo de fotografia, Danilo pretende compartilhar durante três dias toda a sua experiência a um grupo de apenas 12 fotógrafos.

Confira a entrevista realizada com o fotógrafo sobre esta inovadora proposta:

IIF: Como surgiu a ideia de fazer O Fotógrafo Completo?

_MG_4830 edit 01

Danilo Russo: O Fotógrafo Completo é o resultado de várias reflexões. Teve uma época em que eu viajei pelo Brasil inteiro, entre 2007 e 2008, quando não existiam tantos workshops, nem congressos. Foi na época da primeira revolução na fotografia – a entrada do digital.

E desde que a gente trouxe essa injeção de conhecimento para o Brasil inteiro, tudo evoluiu, começaram os congressos – hoje existem quase 15 congressos – e depois dessa grande experiência eu me concentrei no desenvolvimento do IIF.

No ano passado senti que estamos em outro momento do mercado fotográfico. A primeira etapa foi a revolução digital. A segunda etapa, que estamos vivendo hoje, é a popularização da profissão (custo baixo dos equipamentos, mais facilidade de acesso à informação, menor tempo de aprendizagem).

Eu passei um ano de muito trabalho, muito estudo, muita reflexão sobre a minha função como empresário, como dono de uma escola, como fotógrafo e como educador. Eu estudei muito a parte de gerenciamento da empresa, coaching, imergi no estudo de desenvolvimento humano através da Programação Neurolinguística (PNL).

No final do ano  percebi a possibilidade de sintetizar conteúdo de uma nova forma, proporcionar ao aluno um estímulo, dar uma injeção de “não fiquem com medo de fazer, façam”. Façam partindo de poucas e boas regras. Posso te dar um norte, eu posso sintetizar todo o meu conhecimento, juntar com essa vontade de fazer e trazer pra vocês resultados de forma pragmática e imediata.

IIF: E porque você resolveu, dessa vez, oferecer fórmulas para o sucesso?

DR: A escolha da palavra fórmula foi conturbada. Eu queria usar essa palavra e várias pessoas da minha equipe falaram que fórmula era muito exato, que fórmula não combina com fotografia, que fórmula não combina com arte.

Eu também sempre fui contra isso, eu sempre pensei que tem que explicar muita coisa, a pessoa tem que ter uma ideia da visão global. Aí eu me deparei, no curso de coaching, com a Lei de Pareto, que diz que 20% das coisas que a gente faz é a causa de 80% dos resultados. Por exemplo: 20% dos escritores de livro produzem 80% dos livros do mundo, ou 20% dos produtos de uma empresa são responsáveis por 80% dos lucros. Eu estou dando 20% dos meus conhecimentos que são responsáveis por 80% dos meus resultados. O resto é confeitaria, muito bom a gente falar de detalhe, se debruçar nos conhecimentos, mas se eu pego tudo o que eu sei, quanto disso serve para ter uma boa foto, para ter sucesso na carreira?

Eu já sentia isso de forma inconsciente, tinha essa impressão nos meus cursos de moda. O meu curso de moda tem planos de leitura, eu posso contar pras pessoas o topo da carreira da moda. Mas quantos da minha turma vão chegar nisso? Quanto é importante o plano de leitura? Quanto de conteúdo eu devo dar? Eu conto muito de coisas muito longe que eles não se identificam. Se eu conto coisas simples que podem levá-los a percorrer esse caminho, eu estou fazendo o melhor pra eles. Eu já sentia isso, mas o coaching me reforçou o sentimento.Daí nasceu a ideia da fórmula.

IIF: Por que você decidiu separar o conteúdo em três partes: técnica, criatividade e marketing?

DR: Isso não é de hoje. Isso é uma reflexão que o IIF tem desde sempre. O nosso curso de Capacitação, por exemplo, tem isso, é baseado num tripé: técnica (conhecimento prático), a criatividade (onde eu coloco a minha inspiração, estética) e a venda. Até os workshops mais simples do IIF têm esses três pontos.

IIF: E como você acha que a conferência pode ajudar os outros fotógrafos?

DR: O evento vai dar autoconsciência. Ele vai ser baseado em algumas ferramentas que eu vou trazer do coaching. A princípio, os fotógrafos farão uma autoavaliação e refletirão sobre seus pontos fortes e seus pontos fracos, e como fazer para equilibrar essa relação. Isso em todas as áreas: em técnica, em estilo, em marketing e vendas. Eles vão fazer autoavaliações para descobrirem onde precisam melhorar, ou, por exemplo, decidirem qual é o seu estilo, o que querem alcançar. Isso dá um norte na carreira.

IIF: Essa etapa que você está comentando é mais uma forma de autoconhecimento na fotografia e reflexão sobre o próprio trabalho, os objetivos e etc. Onde entram as fórmulas?

DR: Depois das definições das auto avaliações, eu vou dar dicas objetivas para cada um dos diagnósticos. A fórmula entra, por exemplo, no momento em que você escolheu qual estilo que você quer. A partir daí eu tenho uma relação de como é feita aquela foto, quais são os elementos de iluminação, direção, composição, equipamentos necessários. Por exemplo, se o fotógrafo identificou seu estilo como lifestyle, como eu faço fotos nesse estilo? Como eu chego nesse resultado? São muitos aspectos: enquadramento horizontal,uso de grande-angular, diafragma muito aberto, movimento dos modelos, etc.

 

Isso é só um exemplo, para cada um dos temas vão ter alguns resultados, e para cada resultado, uma fórmula. Isso para técnica, marketing e vendas, para todos os temas do evento.

Não é uma fórmula absoluta, é uma fórmula relativa, que cada um vai construir conforme o seus desejos e objetivos.

Se você deseja fazer parte deste seleto grupos de alunos que terão a oportunidade de partilhar todos os conhecimentos de Danilo Russo, clique aqui e realize a sua pré-reserva.

Não deixe para depois, aperfeiçoe o conhecimento necessário para o seu sucesso!

 

Cadastre-se e receba as principais novidades do ramo da fotografia.

Posts Relacionados

Criando o primeiro portfólio: o que saber antes de começar?

Criando o primeiro portfólio: o que saber antes de começar?

No mercado da fotografia, o portfólio é o currículo do fotógrafo. É o meio...

Você conhece o poder da marca?

Você conhece o poder da marca?

No mundo empresarial, a marca é a assinatura, o carimbo, a identidade do seu...

Como superar o desafio de vender sua fotografia?

Como superar o desafio de vender sua fotografia?

Olá, fotógrafo! O que você sente ao ouvir a palavra "vendedor"? Em...

Primeira edição do Photo Meeting coloca os negócios no foco dos fotógrafos

Primeira edição do Photo Meeting coloca os negócios no foco dos fotógrafos

Nos dias 20 e 21 de março, o Instituto Internacional de Fotografia promoveu o...

Parceiros